quarta-feira, 25 de março de 2015

Genocidio Armenio x preconceito

O silêncio sobre o genocídio armênio e o dever dos humanistas:



  Em um mês, o resto do mundo relembrará os 100 anos do primeiro genocídio do século XX em 24/4/2015 quando um milhão e meio de armênios foram assassinados. A pergunta que não quer calar é “quem ouviu falar sobre o genocídio armênio?”. No Brasil, a maioria das respostas será negativa devido aos padrões de "normalidade" da acultura da superficialidade: aqui, é muito difícil encontrar quem tenha ouvido falar sobre o massacre de dois em cada três armênios no Império Turco Otomano. O assunto está omitido nas grades curriculares do ensino básico e superior e, nos meios de comunicação, há um silêncio.

 O plano de extermínio armênio, a minoria cristã do Império Turco Otomano, originou-se na crise e tentativa de reestruturação no século XIX quando surgiu um código de conduta, com direitos e deveres avalizado pelo Patriarcado da Igreja Apostólica Armênia de Constantinopla (representativa de 80% dos armênios do Império), um arranjo jurídico-político sustentado por uma Assembléia Nacional Armênia, um órgão representativo sem poder algum instalado em 1863 como interface nos diálogos com o Sultanato. Sucederam-se pressões sobre os armênios: sobretaxação da produção agrícola; opressão cultural proibindo o idioma armênio em muitas regiões; incitação de grupos curdos a atacarem as vilas armênias. Nas regiões orientais do Império Otomano e nas proximidades da área de influência da Rússia czarista, províncias armênias rebelaram-se contra os governadores turcos. Boato, ardilosamente espalhado entre a população turca e curda, acusava os armênios-cristãos de serem aliados dos russos e estarem mancomunados com o exército czarista para destruir o Império Otomano. Provocou uma escalada da violência culminando com os massacres hamidianos, alusão ao Sultão Abdul Hamid II: de 1894 a 1896, foram mortos trezentos mil armênios como relata Taner Akçam no livro “Do império a república: o nacionalismo turco e o genocídio armênio, fundamentam a comprovação dessa barbárie".

 As pressões internacionais por reformas profundas abalavam a estrutura do Império Otomano. Internamente, a oposição ao sultão crescia, especialmente entre o oficialato e o funcionalismo público perdendo privilégios e cargos devido ao encolhimento do território pelas derrotas nos Bálcãs e nas cercanias do mundo árabe. Esses grupos, descontentes e declaradamente contra o sultão, formaram o movimento chamado de Jovens Turcos agrupando também liberais e militantes nacionalistas. Em 1906, fundiram-se no Partido de União e Progresso (até então uma sociedade revolucionária secreta) rapidamente capitalizando o descontentamento generalizado. Propondo mudanças culturais e políticas, os Jovens Turcos, maioria dentro do Partido de União e Progresso, conseguiu a convocação de um parlamento para realizar uma reforma constitucional diminuindo sensivelmente o poder do Sultão. Muitos grupos políticos armênios aceitaram participar dessa tentativa de mudanças porque, há tempos, suplicavam por melhores condições de vida e eram ignorados por quem estava no poder. Contudo, desenhava-se um perverso plano. Os líderes dos Jovens Turcos decidiram eliminar a população armênia do território. A lógica genocida era acabar de vez com o que chamavam de “Questão Armênia”, uma lógica criminosa, pelo qual afastariam o risco de um avanço russo pela Anatólia onde, supostamente, contariam com apoio dos armênios. Queriam, na verdade, a riqueza: saquearam todas as propriedades armênias.
 A execução foi planejada para o domingo de Páscoa de 1915, dia 24 de abril, feriado religioso cristão, quando os intelectuais armênios foram presos sob pretexto de "averiguação". Lideranças políticas e religiosas da comunidade foram, pouco a pouco, sendo encarceradas em Constantinopla e outras cidades.  Nas vilas armênias isoladas, a população masculina foi convocada para cavar trincheiras para suposta proteção contra uma invasão e, a seguir, mortos e soterrados nas valas que eles próprios abriram. 
 A população armênia remanescente foi deportada para o Deserto de Der El Zor, inóspita região hoje dentro do território sírio, para os afastar das vistas de observadores internacionais. Mesmo assim, relatos dramáticos de torturas, violência e perversidade chegaram ao ocidente graças a humanos comprometidos com a verdade e a justiça como destaca o livro “A história do Embaixador Morgenthau”,  Editora Paz e Terra.  A vida dos poucos sobreviventes relato fielmente o que aconteceu. Em poucos meses, quase a totalidade dos armênios do Império Otomano, um milhão e quinhentos mil inocentes, foi assassinada: um crime contra a humanidade! Famílias destruídas ou separadas, crianças sobreviventes desesperadas e traumatizadas e um milenar patrimônio cultural destruído.
 Muitos organismos internacionais já reconheceram o genocídio. Do Tribunal Permanente dos Povos ao Parlamento Europeu, incluindo Assembleia Geral da ONU onde até há uma Resolução. A lista é enorme, confira: http://www.genocide-museum.am/eng/international_organisations.php
 Dezenas de países já reconheceram o genocídio como Alemanha, Canadá, França, Grécia, Holanda, Rússia e, inclusive, nossos vizinhos do Mercosul: Argentina, Bolívia, Chile, Uruguai e Venezuela. Contudo, Brasil ainda não, ignorando um dos maiores crimes cometidos contra a humanidade.
 James Onnig Tamdjian, professor de Relações Internacionais da FACAMP, pesquisador do Grupo de análise de Conflitos Contemporâneos, Massacres e Genocídios da UNIFESP, e Philipe Arapian, assistente jurídico da Promotoria de Justiça de Direitos Humanos do Ministério Público de São Paulo, são descendentes dos poucos sobreviventes que chegaram ao Brasil nos anos de 1920 e 1930. Embora adotando a nacionalidade brasileira, as vítimas legaram aos seus descendentes a obrigação de continuarem a luta pelo reconhecimento internacional do genocídio. Acusam as autoridades brasileiras e, por tabela, os falsos humanistas e centenas de ONGs sediadas no país, de cumplicidade com o crime hediondo. Noticiam um lobby forte usando como pretexto os laços da economia que poderiam ser abalados. O argumento é falso: não há notícia de qualquer represália aos país que já reconheceram o crime. Ademais, com todo o respeito, um milhão e meio de vidas assassinadas não podem ter menos importância do que um receio (infundado!) de estremecimento nas relações diplomáticas.
 O Brasil tem estado desconectado das diversidades nacionais e culturais do mundo exterior. O conhecimento de História Geral é paupérrimo e a do próprio país sofre manipulações. Além do enino omitir informações, reforça falsas crenças como a de autossuficiência pela "vastidão" territorial e 200 milhões de habitantes dos quais, contudo,  a maioria foram transformados em analfabetos funcionais pela apologia à idiotização. Além do analfabetismo funcional, parcela expressiva da população não domina sequer a língua portuguesa, um obstáculo ao conhecimento sobre o mundo exterior é a escassez de bons e confiáveis tradutores, mesmo para os idiomas mais falados do globo, por estarmos "sitiados" pelos países de língua espanhola, e dificilmente sai-se da zona de conforto do portunhol. 
  Por isso, nossos museus e bibliotecas estão a perigo! 
  Inaceitável manter esse massacre no vale das sombras. A verdade deve ser dita e todos saberem o que aconteceu em 1915. 
 Cabe, portanto, a cada um de nós que realmente lutamos pela dignidade humana bradar para o Brasil reconhecer o genocídio armênio e divulgarmos esse fato.
Editado nas informações publicadas por James Onnig Tamdjian e Philipe Arapian em http://www.conjur.com.br/2015-mar-25/genocidio-armenio-silencio-conivente-brasil Revista Consultor Jurídico, 25/03/2015.


Preconceitos são semeados para jogar os decentes uns contra os outros?
https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=4826299852306&id=1140825093



Como os desumanos dominaram até agora?

 O que fazer para a Humanidade retomar o controle planetário? 


  A luta humana contra a desinformação psicopata:

 A Hipnose em Massa:



 A origem de todo o mal:


As mentiras para entorpecer: 




Outros tópicos da teia de paradoxos
e do combate à desinformação:




Para acessar outros arquivos na Rede de Conscientização: https://drive.google.com/folderview?id=0B2CNDxRTI8HAcVl3cFc0M09hZ3M&usp=sharing