Karate regrado para olimpismo

Karate e a Olimpíada rumo a Tókio 2020:
Karate apresenta quatro faces na sociedade contemporânea. O Budô e a defesa pessoal persistem secularmente os mesmos. Contudo, há um impactante crescimento das facetas desportivas. 


Karate 1 Premier League 2015 em São Paulo, foto do site WKF
Karate competitivo no Sistema Olímpico regrado pela WKF é a modalidade de esporte com uma das mais impressionantes revoluções. Esporte é regra. Desde o inicio das suas competições mundiais em 1970, houve profundas alterações os regulamentos. Os golpes eram aplicados com controle muito relativo e ocorriam lesões graves:

Contudo, quando o COI, Comitê Olímpico Internacional, na sua 90ª Sessão, aceitou o Karate como modalidade e, a partir de 1995, passou a integrar todos Jogos Continentais como no Pan de 1995, houve alterações a cada dois anos e, a partir desta década, alterações anuais nos regulamentos. O resultado é impressionante. Transformaram uma das mais lutas mais letais num dos esportes mais seguros.
Para produzir esse resultado, muito do Karate é proibido nos Jogos. Há muitas regras sobre o controle. O desrespeito às vedações pode levar o infrator à expulsão (hansoku) e até a expulsão vergonhosa (shikaku) ìmplicando em consequências além da competição no campo do direito disciplinar. 
       Dai a metáfora da figura:
 Nos Tribunais de Justiça Desportiva, os auditores não possuem vínculo, nem recebem salário...
Como os golpes são demonstrados sem a finalização (nocaute do oponente), o Karate desportivo depende totalmente da Arbitragem. 
  Esporte é regra. Na forma lúdica, pode ser feito como brincadeira. Como Desporto, assume um caráter de seriedade e depende de um operador responsável  pela aplicação da regra, o árbitro.
   Embora indispensável ao desporto, o árbitro é a figura menos valorizada em todo o cenário.
  Pelo contrário, o árbitro costuma ser rotulado como o responsável pelo insucesso. Um erro de perspectiva como salienta Lyoto Machida neste vídeo: https://youtu.be/cloBmnMn1Xk

‪ ⚽️🥅
 Até nos esportes de regras menos complexas, um bom árbitro é essencial.‬
‪ Não conseguindo chegar na bola, o atacante mete a cara no pé do goleiro. Merecia levar cartão? Contudo, o juiz expulsou o goleiro e marcou pênalti. Confira:

‪ 🆘💩‬
Esporte e Desporto, conceituação:
 O legislador contemporâneo, desde 1993 às sucessivas alterações (dezenas) da lei de 1998, e até ao criar e modificar duas vezes o Estatuto do Torcedor, foge de conceituar esporte.
 Ao compilar os regramentos infralegais no diploma editado em 1975 os burocratas criaram constrangimento enunciando um conceito tacanho de esporte como “atividade preponderantemente física” olvidando a verdadeira natureza.
 Esporte é uma distorção da realidade criada pelas regras e cujo desiderato é o ganho emocional de quem vivencia o Plano dos Jogos-Esporte participando ou assistindo.
 A participação pode ser singela, como no competidor lúdico, ou complexa, no atleta de alto rendimento.
 Assistir compreende desde a distração de quem tem a atenção focada pelo esporte lúdico até o fanatismo dos torcedores do desporto.
 O esporte é um evento com posicionamento: quando assistimos um espetáculo não esportivo nossa posição perceptual é flexível; até rimos das tragédias dos personagens. No esporte, a assistência é qualificada pela posição perceptual parcializada: nem mesmo o árbitro consegue ficar sempre neutro; a expectativa de concretização de um lance envolve magicamente.
 Fato versus esporte, como diferenciar?
 Abater um animal para se alimentar é ato da vida real praticado há milhões de anos. Num ambiente de abundância de alimentos, podemos distorcer a realidade da caça com “regras” definindo critérios (valores) para atribuir a vitória (crença), criando uma competição artificial, motivada pelo prazer.
 A bicicleta é um meio de transporte popular em algumas regiões onde pedalar, nessa condição, é atividade da vida real; o objetivo é deslocar-se de um local para outro. A mesma bicicleta, contudo, em outro contexto, pode ser componente de atividade esportiva onde a realidade é distorcida por regras que criam uma competição na qual o objetivo não é o simples deslocamento.
  Assim, podemos conceituar o esporte como uma distorção da realidade, criada pelas regras, voltada ao ganho emocional, de quem vivencia o plano do esporte participando (competidor) ou assistindo (torcedor).
 Esporte é a regra: o que transforma atos banais cotidianos no prazer do esporte extravasando a competitividade inerente a natureza da vida é o conjunto de regras da modalidade.
  Também podemos diferenciar esporte e desporto.
 Deslocando-se de bicicleta para o trabalho, para tornar o trajeto divertido, decidem ir por terreno acidentado, disputando quem melhor supera os obstáculos. Contudo, demanda mais tempo contornar buracos e subir e descer lombas e, para evitar atrasarem-se, mudam as regras no meio do jogo, alterando o percurso e, voltando à pista pavimentada.
 No exemplo acima, a atividade esportiva é lúdica. Há flexibilidade nas regras, que tanto podem ser alteradas no meio da atividade, como sequer serem consideradas, porque o principal objetivo é o ganho emocional de quem participa. Quem observa tal atividade é um mero expectador, enquanto os participantes são meros competidores, divertindo-se com o que fazem, sem qualquer compromisso de também proporcionar prazer aqueles que os assistem.
  Desporto é o esporte qualificado por regras previamente definidas, em complexidade proporcional ao tipo de atividade física daquela modalidade, concebidas a partir da experiência e informadas pelo ganho emocional de quem participa ou torce.
 Sem regras, não há desporto!
  Confira a origem dos conceitos de esporte e desporto na TT, Teoria Transdisciplinar, aqui: http://www.padilla.adv.br/desportivo/ + http://bit.ly/dconceito 
 O desporto profissional é um paradoxo: As mais importantes disputas envolvem atletas que auferem milhões dispondo do mais moderno - e caro! - em medicina, nutrição e preparação física. Contudo, salvo as exceções de corrupção, tanto na entidade de administração [(con)federação], quando nas de prática (clubes), a modalidade é dirigida por pessoas movidas pela mera paixão ao esporte = amadorismo.
 O quadro de árbitros é terceirizado, o popular "bico". Na disputa, o árbitro tem posição semelhante ao do magistrado na condução do processo judicial: está investido de um poder-dever de atuar com dignidade e imparcialidade; observar e fazer cumprir às regras. Deve punir os infratores e tudo registrar na súmula, documento oficial da competição. As anotações do árbitro são o principal instrumento do processo da Justiça Desportiva. Contudo, esse personagem essencial não desfruta de garantias financeiras. Mero prestador eventual de serviço, sem vínculo empregatício na modalidade onde exerce indispensável função. Recebem por arbitragem, sem garantias da relação de emprego, muito menos uma irredutibilidade de vencimentos, ao contrário dos membros do Poder Judiciário.  Ilustra-o esse causo pitoresco de engraçado amadorismo http://bit.ly/dcalcinha  http://padilla-luiz.blogspot.com.br/2004/01/calcinha-vermelha-expulsa-jogador.html
 Para piorar, após um esforço de décadas dos desportistas e parlamentares aprovando no Congresso Nacional um Projeto de Lei criando a profissão de árbitro de futebol, o (des)governo do Foro de São Paulo vetou o artigo que disciplinava o seu exercício, de forma a fomentar o caos social de forma irresponsável: http://bit.ly/afutebol  http://padilla-luiz.blogspot.com.br/2013/10/esporte-legislam-sem-responsabilidade.html
  A importância do árbitro:
 Embora o esporte lúdico também possa ter arbitragem, no Desporto (organizado ou de alto rendimento) é essencial o quadro de árbitros, que dirige a competição, interpreta e aplica regras, definindo o ganhador.
 De alto rendimento é o realizado com rigidez nas regras. Estas, jamais são mudadas no meio da competição, porque o principal objetivo é o ganho emocional de quem assiste qualificado como torcedor, com expectativa de divertimento.
 O Direito Disciplinar Desportivo e Processo Disciplinar são indispensáveis ao desporto de alto rendimento, porque asseguram o respeito às regras, punindo os infratores. Desporto de alto rendimento divide-se em profissional e amador.
 Confira o paradoxo do desporto aqui: http://bit.ly/damador 

   Considerando o Estatuto Torcedor haver consolidado o Princípio Tutelar do Direito Desportivo - http://bit.ly/etorcedor - não se pode mais olvidar a necessidade de regular adequadamente as atividades daqueles que são, no âmbito do desporto (o esporte formal), os personagens indispensáveis para a existência da competição.

 Há 40 anos, pesquisamos e divulgamos o caráter pedagógico do karate. Há trinta, sou árbitro.
 Em 1992, passamos a pesquisar esportes de luta e a sua arbitragem desportiva.
  Em 1995-7, criamos a disciplina de Direito Desportivo no ensino jurídico: http://bit.ly/Ufrgs
  Desde então, passamos a pesquisar todos esportes e sua arbitragem.
 Enquanto isso, aconteceu a evolução das regras do Karate 🥋 com alterações bienais a cada Campeonato Mundial permitindo transformar uma das lutas mais mortais em um dos esportes mais seguros!

🥋🥇WKF 2020 regulamento arbitragem de competições de Karate, tradução oficial CBK.
 🏆
 A regra dos Jogos Olímpicos de Tókio em língua portuguesa.
📚  Gdrive: https://lnkd.in/e7FEzQf
ou 📖 https://lnkd.in/egSPZS5
🙏
LINKS longos, caso tenha problemas com os atalhos acima:
https://drive.google.com/file/d/1FPRbKTIwc29aCzIOQgDmEsX3Nnz59oD2/view?usp=drivesdk
ou
https://1318c664-5f14-ab25-7dec-30539ce2ca69.filesusr.com/ugd/03d59d_bb7569bb4e084261a28f42517a280c1a.pdf
🙏

     Conheça o Regulamento atual WKF, World Karate Federation
 no formato e-book em PDF, tanto nos originais WKF 
nos idiomais espanhol e inglês, 
quanto na tradução oficial da CBK,  
Confederação Brasileira de Karate, em Português-Br: 
  https://www.karatedobrasil.com/regulamentos-arbitragem

 

Todas as regras 

de competição 

de Karate num só lugar:

 

 

 A arbitragem de Karate 👨‍⚖️:


   De tudo quanto se conheceu em décadas de pesquisa, o Karate é o esporte mais difícil de arbitrar e o qual mais dependemos dos árbitros - e precisamos pelo menos 8 bons árbitros mais o chefe de quadra para uma luta. 
 Há um painel de 5 árbitros na quadra composto pelo Suchin, Referee, Árbitro ou Juiz Central; em pé, movimenta-se por quadra para ter o melhor ângulo para avaliar as faltas; inicia e para o combate; controla os 15 tipos de comportamentos proibidos, solicita aos auxiliares validarem sua opinião, e anuncia as faltas confirmadas e as pontuações assinaladas por pelo menos dois dos quatro (4) Fukushin, Judge, Juíz ou Bandeiras que sinalizam em tempo real os três tipos de pontuação com duas bandeiras: Aka (vermelho) e Ao (azul). 

 A um metro da quadra, o Kansa ou Juiz Supervisor, coordena o painel e sinaliza com apito e bandeira vermelha para o Central paralisar o combate quando este não percebe alguma das 18 violações de procedimento.
 Há mais dois Juízes Supervisores de Vídeo responsáveis por examinar e decidir rapidamente o pedido de pontuação mediante o cartão levantado pelo técnico.
 O chefe e subchefe de quadra, e/ou Coordenador de Kotos, analisam a atuação de todo o painel, sendo responsáveis pela avaliação de cada um conforme dezenas de itens. Portanto, em uma única disputa, há dez árbitros envolvidos.
  As competições nacionais com cerca de dois mil atletas e acontecem em até dez kotos-quadras simultaneamente. Assim, são necessários cem bons árbitros para iniciar o evento.
 Na verdade, é preciso uma quantidade um pouco maior, pelo menos 120, porque é preciso manter a isenção. O árbitro não atua na disputa do seu estado.
 Karate também é um dos esportes onde o erro do árbitro fica mais exposto.
   Como alguém se torna um árbitro de Karate?
  Primeiro, precisa ser faixa preta, o que vai demandar muitos anos de esforço. Aprender e treinar cada vez mais a regra e investir! 
   Em Karate, o árbitro precisa estar em elevado nível de velocidade visual e de aplicação da regra e, para uma disputa de Kumite de 2 atletas, são necessários 6 bons árbitros.

Como esporte, possui duas modalidades bastante diferenciadas: kumite (luta) e kata (formas).



 No Kata equipe, um dos aspectos avaliados é o Dantai, a execução com sincronicidade, a equipe atuando como uma só consciência.



 Acima, o Kata, as formas seculares. A seguir, aparece a mesma equipe apresentando o bunkai, isto é, a demonstração da aplicação das mesmas técnicas do Kata. Com essa performance, a equipe feminina alemã sagrou-se campeã no mundial de 2014.

  Embora os vídeos estejam separados no site da WKF, World Karate Federation, é um contínuo... A demonstração flui desde a saudação inicial do kata até a ao final do bunkai e não podia ultrapassar seis minutos sob pena de desclassificação. Em 2019, o tempo total de Kata + Bunkai foi reduzido para 5 minutos.



O Kata é um treinamento individual para desenvolver as habilidades. Em competição de equipe, nas disputas de medalha há demonstração do Bunkai, isto é, das aplicações práticas das formas.

 

Durante alguns anos, visando simplificar o trabalho dos juizes, nas eliminatórias das competições de Kata, apenas 8 katas eram aceitos e ainda deviam ser executados exatamente da forma como eram realizados em 4 das principais escolas de Karate que são dezenas. Houve mal estar e muitos protestos de mestres, sobretudo de Okinawa, berço do Karate. A regra evoluiu e, há muitos anos, já se aceitam todas as formas de executar os katas no Japão, havendo uma listagem oficial com uma centenas de formas.
Este vídeo ilustra como um kata é executado de forma diferente conforma a escola:
 

A evolução das regras do Kumite (luta):
O kumite é a luta individual ou em equipes. As sucessivas mudanças nas regras visavam atender à orientação do Comitê Olímpico eliminando as lesões nas competições.
Ginásio Poliesportivo Mauro Pinheiro (Ibirapuera) São Paulo, Campeonato Brasileiro 2014.

 Antes das modificações nas regras iniciadas em 1985, era relativamente fácil arbitrar e se podia fazê-lo até de costas.
 Podia-se escutar o barulho do golpe atingindo o oponente e os efeitos no adversário eram evidentes.


Ginásio Poliesportivo Mauro Pinheiro (Ibirapuera) São Paulo, Campeonato Brasileiro 2014.

  Os competidores executavam as técnicas "com controle". 
Campeonato Brasileiro 2015, Foz do Iguaçu, abertura.

 Por exemplo, em um soco, mantinha-se uma reserva de braço não aplicando toda a potência.


Campeonato Brasileiro 2015, Foz do Iguaçu, final do desfile inicial.

Um golpe com potencial em torno de 100 kg de impacto era aplicado "controladamente" com uma redução de até uns 80%.


Campeonato Brasileiro 2015, Foz do Iguaçu, saudação inicial entre árbitros e atletas.
  
Mesmo com controle, o impacto podia ser superior a 10 kg com potencial de causar lesões sérias dependendo da área atingida.


Campeonato Brasileiro 2015, Foz do Iguaçu, eliminatórias em 8 kotos simultâneos.

    Até 1985, era raro um atleta terminar a competição sem ferimentos

Iniciou-se uma sucessão de mudanças nas regras relatada em http://padilla-luiz.blogspot.com.br/2001/04/esporte-karate-regras.html 


   Sob a orientação do Comitê Olímpico, o Karate esportivo evoluiu tornando-se uma modalidade de luta onde a segurança é prioridade: o atleta precisa ter controle total de sua técnica e uma série de movimentos passaram a ser proibidos nas competições. A técnica deve ser demonstrada sem causar lesão no adversário.

  A nova sistemática permitiu alavancar projetos sociais para conter a agressividade. No Rio Grande do Sul, o Projeto Além do Esporte beneficiou dezenas de milhares de crianças e adolescentes:

Projeto Além do Esporte alavancou o Certificado de Responsabilidade Social do Karate

   A segurança do esporte, demonstrada pelo cálculo atuarial de seguros de equipes de karate serem mais baratos do que de outras modalidades, também fez crescer o interesse feminino pelo esporte:

Final Equipe Feminina SP x SC Campeonato Brasileiro 2014 por Felipe Tamashiro
No modelo atual, uma competição de karate pode envolver milhares de atletas sem nenhuma lesão grave. 
Final Equipes SP x SC Campeonato Brasileiro 2014 por Felipe Tamashiro
O karate competitivo tornou-se um dos esportes mais seguros  e passou a atrair o público feminino e as crianças.
Final Equipes SP x SC Campeonato Brasileiro 2014 por Felipe Tamashiro





  Natureza da Arbitragem Desportiva:

No sistema olímpico, atribui-se a vitória aquele com mais pontos dentro das regras. É proibido lesionar o adversário. O infrator pode ser desclassificado.
Esporte é a regra!

 A pontuação é atribuída pela demonstração de técnica eficaz sem finalizar o golpe. A pontuação exige "atitude desportiva" mantendo a técnica sob controle sem aplicar o poder devastador sobre o adversário. A avaliação das movimentações atribuindo-lhes pontos ou penalizando infrações depende totalmente da qualidade da arbitragem!




Os árbitros são faixas pretas graduados, treinam constantemente e, antes de iniciar uma competição, realiza-se um curso, seminário ou clínica de atualização. Todos interagem usando o uniforme tradicional, o karate-gi, popularmente chamado de kimono. 
Clínica de Arbitragem nas vésperas do Karate 1 Premier League 2015.










Na competição, os árbitros trajam paletó e gravata, padrão utilizado em diversos esportes, entre outros motivos, para demonstrar a seriedade do julgamento e a distinção da atividade dos árbitros para a dos atletas e técnicos.

Quadro de árbitros do Karate 1 Premier League 2015 por Nalva Santiago.

Quadro de árbitros do Karate 1 Premier League 2015 por Geraldo de Paula.

Quatro juízes ficam sentados em cada um dos cantos do koto (quadra de competição) sinalizando com bandeiras nas cores aka vermela e ao azul. Quando dois ou mais juízes assinalam ponto para um atleta, o Central comanda yamê (parar) e atribui a pontuação em três níveis:
Yuko = 1 ponto = técnicas de braço.
Wazari = 2 pontos = chute médio, ao tronco ou costas.
Ippon = 3 pontos = chute na altura da cabeça ou qualquer técnica pontuável contra adversário que esteja caído ou projetado.
A pontuação só será marcada quando a técnica aplicada sobre uma área pontuável contiver todos seis requisitos: boa forma; atitude esportiva; aplicação vigorosa; zanshin (estado de alerta); tempo apropriado; distância correta.
O juiz central vocaliza a marcação ao mesmo tempo em que assinala a pontuação ou a falta com os braços.


Yuko = 1 ponto = bandeira ou braço esticado para baixo:
Árbitro, Juiz Central ou Referee sinaliza Yoko
Juiz ou Judge sinaliza Yoko

Wazari = 2 pontos = bandeira ou braço esticado na horizontal:
Árbitro, Juiz Central ou Referee sinaliza Wazari 
Juiz ou Judge sinaliza Wazari

Ippon = 3 pontos = bandeira ou braço esticado para cima:
Árbitro, Juiz Central ou Referee sinaliza Ippon

Juiz ou Judge sinaliza Ippon

O juiz central só comanda Yamê (parar!) para marcar faltas ou pontuar. Ele só poderá parar para atribuir ponto quando dois ou mais dos juízes laterais estarem sinalizando pontuação.

Se duas bandeiras pontuam para o mesmo atleta, divergindo, contudo, na intensidade da pontuação (ex: um dos juízes marcou Yoko e o outro sinaliza Wazari) prevalece a menor. 

Caso dois juízes pontuem na mesma intensidade, esta decisão prevalece sobre uma intensidade diversa marcada por um terceiro juiz. 

João Pereira arbitrando no Karate 1 Premier League 2015 SP foto por Paulo Pinto da Revista Budo.
Vence a disputa quem alcançar a diferença de oito pontos ou quem dispuser de mais pontos ao final do tempo de 3 minutos masculino adulto ou 2 minutos nas demais categorias.

Nas disputas individuais, se findar o tempo com idêntica pontuação, os cinco árbitros decidem (hantei) o vencedor a partir de critérios técnicos, especialmente o empenho em buscar a vitória na competição. Na competição de equipe, uma ou mais das lutas individuais podem encerrar com hikiwake, empate. Ao final de 3 lutas femininas ou 5 masculinas, vence a equipe com mais vitórias ou, se houver empate, a maior quantidade de pontos nas lutas disputadas. Persistindo o empate, cada equipe indica um competidor para a luta de desempate.
Na animação seguinte, uma visão geral das regras:

    
Do ganho emocional de quem assiste:
O valor de um esporte como espetáculo é proporcional ao ganho emocional proporcionado ao público. Essa emoção será proporcional ao patrimônio estético e à imponderabilidade. Quanto maior essa possibilidade de tudo acontecer, maior a emoção envolvida. A respeito, confira a apresentação na USAL, Universidade de Salamanca :



   A regra atribuindo três pontos para um jodan gueri, o chute em direção à cabeça, incentivou o seu uso elevando o capital estético e a imponderabilidade do karate esportivo
No vídeo a seguir, observe como é rápida a aplicação do golpe podendo virar o resultado. 


 Muito valor emocional foi agregado à competição de Karateum placar desfavorável de dois pontos pode ser virado em um segundo encaixando-se um chute à cabeça.

Douglas Brose, nascido no RS e radicado em SC, bicampeão mundial, campeão dos Jogos Panamericanos ODEPA
e da Premier League de onde foi colhido este flagrante de um Jodan Gueri



  
Do nascimento do karate esportivo:
Karate como esporte nasce nos anos 50 quando as universidades no Japão começaram a promover competições. Quando houve a primeira edição dos Jogos Olímpicos em Tóquio, prevalecia o sectarismo, a divisão em centenas de escolas. As artes marciais, por sua natureza, sempre foram herméticas, fechadas, ocultas, difundidas somente para um discípulo ou grupo reduzido e seleto cuidadosamente escolhido. Isso faz muito sentido, pois era uma questão de autopreservação não disseminar o conhecimento.

   Ao final da IIª Guerra, integrantes das forças armadas dos EUA maravilhados com a eficácia do Karate de Okinawa conseguiram romper o modelo fechado e difundir a modalidade. Contudo, praticamente não havia bibliografia e o ensinamento era direto.


    Em duas décadas, difundiu-se pelo mundo. O primeiro Campeonato Mundial ocorreu com 33 países em 1970 em Tóquio. De frequencia bienal, o segundo Mundial, em Paris, projetou o Brasil com a vitória de Luis Tasuke Watanabe o qual, ao chegar em Porto Alegre pouco depois, registrou uma realidade da época: duas coisas vendiam-se facilmente sem necessitar de propaganda: coca-cola e karate.
Em julho de 2012, Lyoto Machida, Mike Lee e Glover Teixeira aprendem o mawashi-tsuki, golpe preferido do Shiram Luis Tasuke Watanabe na conquista do Campeonato Mundial de Karate de 1972.

  Em 1972, bastava colocar um cartaz na frente e os candidatos a aprendiz enfileiravam-se...
 ​ 








 Entretanto, desde os anos sessenta, a NOM, nova ordem mundial, implantava a globalização. Padronizava o consumo e os comportamentos fomentando o egocentrismo e a superficialidade. Esse movimento, coordenado por lobistas controlando a mídia, merchandising e produziu a idolatria de anti-heróis: hipócritas-falso-humanistas, corruptos e bandidos travestidos de políticos. Não interessava a essa gente do mal a proliferação das artes marciais por irem de encontro à imbecilização.

A prática de Artes Marciais e lutas desenvolve força física e capacidade de lutar. Contudo, promove a conscientização, fomenta a capacidade de pensar com clareza, eleva o espírito e a habilidade de perceber manipulações. Também incentiva o cuidado com a própria saúde.
Tudo isto é exatamente oposto ao desejado pelos lobistas! As multinacionais da indústria da morte lucram com o estado de morbidez e a manipulação é mais fácil se há uma degeneração da saúde até a quase ausência do raciocínio crítico permitindo o desvio da maior parte dos recursos.
 Por isso, promovem a "robotização" com a terceirização do pensamento. Grande parte da população acredita ter liberdade, contudo, são incapazes de pensar e nada produzem intelectualmente de significativo. Aceitam e reproduzem as "informações" distorcidas onde a realidade está  em grande parte oculta e misturada às mentiras. Pessoas superficiais conversam sem falar nada de valor. Escutam sem ouvir o significado! Paul Simon e Art Garfunkel foram os precursores das raves e mega shows atuais quando, em 1982, agregaram meio milhão de pessoas no Central Park NY onde um dos pontos altos foi a canção profecia ou parábola "The sounds of silence" sobre a necessidade de acordar as pessoas, despertar do marasmo mental.


  Visionários, previram a dificuldade de quem luta contra a idiotização: o "sistema" cria um círculo de silêncio promovendo o ostracismo das vozes da conscientização "...ninguém compartilha, ninguém ousa" desafiar o sistema.


Karate Premier League​ 2015 foto by Paulo Pinto da Revista Budo​.

O medo é uma pequena morte: impede de pensar e isso permite o domínio da acultura da superficialidade ambienta a escravidão disfarçada em impostos excessivos alimentando a maior corrupção do planeta.

As Artes Marciais vão de encontro ao falso deus-consumismo. Ameaçam os pilares da acultura da superficialidade. A prática de artes marciais impede o domínio do medo, atenua a sensação de insegurança, vacina contra o pré-pânico obliterando a mente e favorecendo o isolamento e o egocentrismo.

 No Karate Premier League​ 2015, Paulo Pinto da Revista Budo​.registra a presença do gran-mestre shiram ​Yasunori ​Yonamine, 10º dan​ Okinawa Goju Ryu Ryusyokai​, ​e de sua esposa. Em pé, atrás do casal, da esquerda para a direita, Luiz Padilla​, arbitro ​C​BK e Coordenador do Gojuryu Taniguchi-Ha, editor deste blogLuiz Carlos Cardoso Nascimento​, ​Presidente ​da ​CBK​; e ​Joilson Ferreira de Moraes, Presidente da ​Federação de Karate Estado de Góias​; ​sentado, à esquerda, Lui​z Kotsubo, ​Henshi da IKGA​.

As artes marciais habilitam o praticamente a perceber tudo isso: aprendemos a dominar o medo e as emoções e ainda desenvolvemos a capacidade de percepção. Essas qualidades desenvolvidas pela sadia prática de artes marciais são verdadeiros pecados mortais contra a globalização do deus-consumo. Por isso, obviamente, as artes marciais tem sido infamadas e divididas.
A mídia ajuda ainda mais com o sensacionalismo alarmista sobre qualquer situação de exceção. Um acidente esportivo, ou algum comportamento de qualquer desajustado que possa ser ligado às artes marciais, é espalhado.
Karate Premier League 2015 foto por Nalva Santiago
Manipulando pretensos intelectuais num cipoal de falsas crenças promoveram a inversão de valores. Aviltaram a cultura, os professores, os policiais, os magistrados e as pessoas que promoviam a saúde como o médico de bairro. Jogaram os decentes uns contra os outros para os anular. Implantaram uma escravidão disfarçada: todo ganho do trabalho desaparece em uma teia de produtos cujos preços são superfaturados e embutidos de uma rede de impostos, agregados a multas e taxas: todos os recursos são desviados para o enriquecimento de poucos promovendo a maior corrupção da história humana.


Compare a infâmia contra as artes marciais descrita demonstrada em http://bit.ly/sindiplam  ╰☆╮com a praticada contra Arthur El Tigre Friedenreisch  ╰☆╮http://padilla-luiz.blogspot.com/2015/09/idolatria-no-futebol.html

No final dos anos noventa, quando o Professor Padilla anunciou que as lutas cresceriam ao nível de ameaçar o futebol, isso foi considerado "loucura". Contudo, menos de duas décadas depois, o canal secundário da rede aberta e detentor de baixíssimos índices de audiência comparados aos da Rede Bobo de Televisão, passou a transmitir as lutas e, aos poucos, o índice da audiência das lutas foi crescendo até se tornar superior aos dos jogos profissionais dos campeonatos estaduais de futebol em 2012.
Quando isso aconteceu, a principal rede de TV aberta brasileira, até então avessa às artes marciais, incluiu as lutas na sua grade de programação e de merchandising. 
Conheça o efeito do preconceito reverso no meteórico crescimento do futebol - http://padilla-luiz.blogspot.com/2015/09/idolatria-no-futebol.html - e entenderá porque, conjugado ao fato de terem maior afinidade com a psique, antevê-se grande incremento nos esportes de luta e a perspectiva de, antes do ano 2020, superarem outras modalidades de esporte espetáculo.


Eventos de Karate:

https://docs.google.com/document/d/1LRUpuje0UutxAwgqk3fr_QQ3C7CZGIBNmOEdslDs3FY/pub


      Eventos nacionais e internacionais no RGS:

Entre os dias 7 a 10 de julho de 2016, Porto Alegre recebeu mais de 2000 karatekas: árbitros, dirigentes e, atletas, alguns dos melhores do mundo, para o Campeonato Brasileiro de Karate.
  

  Antes, 19 de março de 2016, sediou Curso e Credenciamento Nacional de Arbitragem:

  Quatro semanas antes do grande evento do ano 2016, os técnico e atletas da Seleção Uruguaia de Karate estiveram em Porto Alegre para Sminário, sábado 11 de junho de 2016, e um torneio internacional, no domingo dia 12 no próprio Gigantinho:

A partir do dia 6 de julho, começaram a chegar as delegações com os atletas, técnicos, árbitros e demais membros das equipes:


       Conheça as categorias, cronograma do evento com  crianças a partir de 6 anos, pessoas especiais, e com categorias para a terceira idade, e se informe das parcerias em hospedagem e transporte aéreo: http://cbkarate.blogspot.com.br/2016/05/campeonato-brasileiro-2016-etapa_8.html


Toda a vida humana acontece em volta da emoção e o esporte é uma das principais portas de acesso:    http://bit.ly/4plano


Participe desse grande evento também no facebook:


     Conheça todas as atuais regras do Karate esportivo em português


    Admire-se do caminho do guerreiro, o paradoxo das artes marciais:



     Entenda a rápida alteração das regras de competição de Karate desde 1985: http://padilla-luiz.blogspot.com.br/2001/04/esporte-karate-regras.html

Short link desta postagem: 

Karate: a evolução das regras rumo a Olimpíada http://bit.ly/karate-olimpico


Outras páginas interessantes em Direito Desportivo:

100 personalidades + importantes na história do Futebol? A mídia decide: idolatria ou ostracismo?

Políticos querem acabar com a autonomia do Esporte para aumentar arrecadação de impostos! PEC 12/2012 quer mudar Art.217 inc. I

http://bit.ly/dconceito  Direito Desportivo Conceito

http://bit.ly/damador  Direito Desportivo o paradoxo amador-profissional

http://bit.ly/etorcedor  O Princípio Tutelar do Direito Desportivo consolidado pelo Estatuto do Torcedor

Emoção é o núcleo da atuação humano em 4 Planos demonstrado a partir do Direito Desportivo (apresentado em Salamanca-Espanha) http://bit.ly/4planos 

http://bit.ly/afutebol Criada profissão de Árbitro Futebol sem regulamentação, legislam sem responsabilidade 

http://bit.ly/dcalcinha   Árbitro expulsa jogador de futebol “profissional” com uma calcinha vermelha

Reencarnacionismo, os Jogos Olímpicos banidos e a politicagem Romana

Portas Abertas lota Faculdade de Direito da UFRGS com a história do Direito Desportivo na UFRGS

Arbitragem desportiva: valorizar árbitro parando de explorar e aviltar

Roteiro de estudo do Direito Desportivo

Getúlio Vargas criou o Direito Desportivo brasileiro

 





Rumo a Tóquio 2020




Nenhum comentário:

Postar um comentário